Confira alguns mitos e verdades sobre a gravidez

A sabedoria popular é vasta e os conselhos da sua avó são sempre muito bem-vindos ainda mais nessa fase. A gente sabe que você está ávida por qualquer informação sobre a gestação e o bebê, mas alguns ditos e crenças sobre o assunto não passam de balelas. Antes de sair por aí se entupindo de canjica para produzir mais leite, confira no que vale a pena acreditar.

Você escuta tanta coisa que fica sem saber no que acreditar. É hora de saber o que deve ser levado a sério:

Quando o bebê é grande, precisa nascer de cesárea
Mito. É claro que o peso do bebê às vezes influi na escolha adequada da via de parto, porém isso não é uma regra. É necessário antes fazer uma avaliação adequada da pelve materna (bacia) e também das condições psicológicas da gestante.

Depois de uma cesárea, não se pode mais fazer parto normal
Mito. Após uma cesárea é recomendado, caso o parto transcorra por via vaginal, que se faça uso do fórceps, que em mãos experientes é uma importante ferramenta de auxílio. Porém, é verdade que a maioria dos obstetras prefere realizar cesárea se a paciente já passou por uma anteriormente.

Você precisa se livrar de seu gato se estiver grávida
Mito. Os gatos de origem doméstica, que não circulam pelas ruas, têm uma pequena chance de transmitir a toxoplasmose. Se seu gato for ”vagabundo”, é melhor pesar o risco-benefício.

Não pode tomar nada diet durante a gravidez
Meio mito, meio verdade. Não é bem assim, tudo depende da qualidade do adoçante utilizado. Informe-se com seu obstetra.

Barriga pontuda é menino, e espalhada é menina
Mito. Não existe qualquer estudo que comprove tal afirmação, porém é algo muito antigo que diverte as grávidas nas conversas com amigas e familiares.

Carnes cruas, ovos e peixes não devem ser consumidos durante a gravidez
Meio mito, meio verdade. Depende do estado imunológico da paciente ante determinadas infecções, como a toxoplasmose, que é transmitida por carnes cruas ou malpassadas e de origem não muito bem determinadas.

É preciso passar bucha nos mamilos para não racharem
Verdade. Mas isso é muito antigo e causa dor. Hoje, há produtos à venda em farmácias que protegem os seios de possíveis rachaduras.

Pele de grávida mancha se ficar exposta ao sol
Verdade. Principalmente para quem tem pele clara. Depois da gestação pode ser bem difícil remover essas manchas, por isso é importante o uso de protetor solar.

Se existir um risco preto na barriga, vai ter um bebê bem moreno
Mito. Toda gestante tem um risco preto na barriga desde a púbis até quase o estômago, que se chama Linha Nigra. Quanto mais morena for, mais escura fica essa linha, pois ela decorre do depósito de melanina nessa região. Por isso, é bom evitar tomar sol na barriga durante a gravidez, porque isso dificultará o clareamento dessa linha depois do parto.

Seu cabelo voltará ao normal
Verdade. O efeito da gestação nos cabelos é imprevisível. Algumas mulheres que têm cabelo liso ficam com eles mais ondulados. E vice-versa. E não adianta muito tentar tratá-los nessa fase, melhor aceitar a mudança. Depois do parto, você vai ter uma grande queda dos fios de cabelo, devido à baixa de hormônios. Mas, dentro de um ano, tudo deve voltar ao normal.

Se pedir para a grávida mostrar a mão, e ela o fizer com a palma para baixo, será menino. Se a palma estiver para cima, menina.
Mentira. Como sua mão só tem dois lados, essa brincadeira tem 50% de chance de estar certa o mesmo de qualquer chute aleatório. Se você quer saber o sexo do bebê, melhor confiar no resultado do ultra-som.

Se o bebê chuta mais do lado direito, vai ser menino; do lado esquerdo é menina.
Mentira. Há 50% de chances de ser menino e 50% de chances de ser menina. O lado onde o bebê chuta não tem nada a ver com isso.

Se a grávida tem muita azia, é porque o bebê vai ser cabeludo.
Mentira. A azia aquela sensação de queimação no estômago e no esôfago é causada pelo pressionamento do estômago que o útero faz e, principalmente, por causa da alimentação. Fazer várias pequenas refeições ao longo do dia minimiza o problema e não tem nenhuma relação com o cabelo do seu filhote.

A mulher deve comer bastante canja e canjica, e beber cerveja escura para ter mais leite.
Mentira. O que aumenta a produção de leite é beber muita água além de amamentar, porque quanto mais o bebê mama, mais leite você vai ter.

Amamentar emagrece.
Verdade. Fabricar leite exige um alto gasto calórico do organismo e ajuda a eliminar a água retida no organismo, o que ajuda a emagrecer.

Se a grávida sangrar é porque está perdendo o bebê
Meia-verdade. Qualquer perda de sangue é sinal de alerta, e você deve correr para o médico. Mas é bom saber que 30% das grávidas têm sangramentos no primeiro trimestre e, na maioria das vezes, não é sinal de aborto. No início da gestação, eles podem acontecer por causa da implantação do embrião no útero. No último trimestre, a perda de sangue pode ser sinal de descolamento da placenta, uma situação mais grave, ou simplesmente estar relacionado a pequenos rompimentos de vasos do colo do útero, inofensivos.

Comer raspas de panela e alimentos grudentos torna o trabalho de parto mais difícil.
Mito. Essa idéia não tem pé nem cabeça. O trabalho de parto é mais fácil quando a mãe se preparou física e psicologicamente. Há muitos motivos para ter dificuldades, de tensão à inversão da posição do bebê na barriga. Mas nenhum deles é causado pelo seu mingau.

Mulher grávida não faz exame preventivo.
Mentira. Também chamado de papanicolau, esse exame previne o câncer de colo de útero e deve fazer parte do pré-natal. Como o útero está mais frágil nessa fase, o exame é feito com mais cautela pelo médico.

Exercícios físicos durante a gravidez fazem mal.
Mentira. Só faz mal se a gestante tiver problemas de saúde, como alterações na coluna ou no coração. Tirando esses casos, o exercício físico sem exageros e em atividades de baixo impacto, como caminhadas e hidroginástica faz muito bem, sim. Se exercitar melhora o condicionamento físico, protege contra dores lombares, deixa seu humor e a auto-estima para cima e ainda ajuda a controlar o peso.

Se a grávida soprar a nuca do marido quando ele está dormindo, passa os enjôos para ele.
Mentira. Os enjôos são causados pela revolução dos hormônios no corpo da mulher. Seria ótimo dividir os desconfortos com o pai da criança, mas enjôos não são transferíveis.

É arriscado fazer sexo durante a gravidez, porque o pênis incomoda o bebê.
Mentira. Se a gestação é saudável, não há porquê não manter uma vida sexual ativa. Não há perigo de machucar o bebê: ele está bem protegido na barriga, dentro da bolsa d água, e não vai sentir nada. O sexo só deve ser evitado se houver problemas com a gravidez, como descolamento da placenta e pressão alta se for o caso, o médico vai avisar.

Se a grávida carregar chaves ou medalhas no pescoço, a criança nasce com marcas na pele.
Mentira. Não há nenhuma relação entre as bijuterias que você usa e a pele do seu bebê. Manchas e sinais são causados por determinação genética e, em alguns raros casos, por causa de doenças ou medicamentos tomados durante a gestação.

Grávidas não devem passar por baixo de cercas e varais, senão o cordão umbilical enrola no pescoço do bebê.
Mentira. Esse problema é causado pela movimentação do bebê no ventre, e não da mãe. Se for o caso, será diagnosticado pelo médico quando a hora do parto se aproximar, e pode ser necessário fazer uma cesárea.

O mais importante na gestação é não ficar se comparando com essa ou aquela amiga, não se cobrar tanto por ter engordado um pouco a mais, respeitar seu momento e contexto de vida e saber que, mesmo que você tenha cinco filhos, cada gravidez vai ser diferente. Numa você pode sentir enjôo, na outra pode não sentir nada. Numa consegue fazer parto normal, noutra precisa fazer cesárea. E tudo bem, a vida é assim. ”Cada filho é gerado numa circunstância única. Um contexto que envolve desejo, história de vida da mulher, do casal, do trabalho, do financeiro, do ‘por que e pra que’ desse filho, das projeções lançadas sobre a criança. Isso tudo vai fornecer um ‘lugar’ ao filho e determinar essa relação”.

 

/informações de yahoo e e-familynet.com

Matérias relacionadas