O que é a curetagem, quando é preciso fazer e quais os riscos?

Existem duas situações em que se pode recorrer à dilatação e curetagem: para a colheita de material do endométrio/endocolo ou para evacuação uterina (num aborto ou acumulação de sangue ou proliferação do endométrio).

A curetagem, também conhecida por raspagem, é um exame complementar utilizado em ginecologia, quer para diagnóstico quer para tratamento.

Por outro lado, é nesta estrutura que se implanta o óvulo fertilizado e se desenvolve a gravidez. Esta cavidade uterina é fechada por um dos orifícios do colo do útero.

A curetagem pode ser utilizada para recolha de amostras do endométrio, ou para evacuação do conteúdo uterino duma gravidez não evolutiva, associada à alterações fetais que possa constituir uma ameaça para a mãe.

Exige a dilatação do colo do útero para ter acesso à cavidade uterina; a dilatação é feita com instrumentos próprios que se designam de velas; após a dilatação do colo do útero a colheita de material do endométrio ou a evacuação da cavidade uterina é feita com a utilização dum instrumento designado de cureta.

O ato de curetagem deve ser muito bem coordenado, sistematizado e suave no sentido de evitar qualquer complicação e de garantir que toda a cavidade uterina foi corretamente explorada. No caso da colheita de material do endométrio este exame pode ser previamente acompanhado da visualização direta da cavidade uterina através dum instrumento de óptica que se designa de histeroscópio.

A vantagem da utilização prévia deste instrumento é que nos permite identificar as zonas do endométrio que necessitam de ser recolhidas para outro tipo de exames, tratando-se assim de uma curetagem muito bem orientada.

Como é feito?

Este exame pode requerer a prévia anestesia da doente. Quando se trata apenas da colheita de material do endométrio, a anestesia local pode ser suficiente; uma boa preparação do colo do útero (com medicamentos que provocam a sua dilatação) pode facilitar a dilatação e curetagem sem recurso à anestesia. Na evacuação de conteúdo uterino recomenda-se sempre anestesia geral, pois é necessário um bom relaxamento da doente para executar corretamente este tipo de tratamento.

Segundo os médicos, o processo envolve pouca dor, e é possível iniciá-lo de manhã no hospital e regressar para casa ao final do dia. Contudo, é aconselhado permanecer em repouso um a dois dias. A mulher deverá estar atenta ao aparecimento de febre, persistência de cólica abdominal intensa ou duradoura, ou persistência de sangramento vaginal intenso.

Este exame/método de tratamento é realizado pelos ginecologistas/obstetras.

Preparação especial: Pode haver necessidade de anestesia local ou geral.

Complicações

Tratando-se de ato cirúrgico e, eventualmente, com anestesia, podem existir complicações cirúrgicas e anestésicas. Existe o risco de infecção, de hemorragia ou riscos inerentes à anestesia (geral ou local). Diretamente relacionado com o ato da curetagem, existe o risco de perfuração uterina ou de uma raspagem mais vigorosa que altera as estruturas normais do endométrio e faça com que a doente deixe de menstruar.

Outras dúvidas a respeito do assunto você ver nesse link: ovocego.blogspot.com/2005/12/curetagem-fazer-ou-no-fazer.html

Fonte: sitemedico.com.br

Matérias relacionadas