Porque separar sexo e amor? Os dois caminhos levam à felicidade?

Muitas pessoas costumam separar o sexo do amor. E pensando nisso e também nos benefícios que os dois trazem ao caminharem juntos, a Equipe Personare preparou um bom artigo falando sobre o assunto:

Sexo e amor: caminhos da felicidade

Mas, afinal, essas duas coisas são mesmo tão diferentes? Para a especialista em Educação Sexual e Sexualidade Humana, Antonieta Mazon, ambas representam um caminho para a felicidade e podem aumentar as chances de bem-estar em uma pessoa. “A sexualidade é uma metáfora do amor. A expressão “fazer amor” significa a entrega sexual, que é uma experiência capaz de revelar nossa criatividade, nosso erotismo e romantismo e até nossa capacidade de amar e de transcender para a felicidade”, compara a especialista.

Por meio do sexo é possível que cada pessoa expresse e realize seus maiores desejos. A prática sexual faz parte do cotidiano e funciona como fonte de prazer, realização emocional e estruturação da identidade de cada um. Já o ato de amar traz a compreensão da natureza de todo ser humano. Sendo assim, a especialista acredita que expressar afeto por meio de uma relação sexual pode trazer benefícios para um relacionamento. ” O sexo carregado de carinho proporciona um prazer que não acaba no ato em si , mas se expande e torna o outro um ser especial. Isso fortalece uma relação, além de possibilitar uma evolução na convivência entre o casal”, explica a educadora.

Vale lembrar que a sexualidade não representa unicamente o ato em si. Nela está a fonte do desejo, que abre as pessoas para o mundo e estimula a busca da realização pessoal. Para a especialista, essa experiência permite que cada ser humano vá ao encontro do outro e aprenda a compartilhar sentimentos. “A sexualidade está presente no indivíduo desde o nascimento até a morte. Surge do primeiro contato do bebê com seu cuidador e evolui por toda a vida da pessoa. Ao atingir a plenitude de nossa sexualidade nos sentimos mais inteiros, completos”, lembra Antonieta.

A maneira como cada um viverá esse processo depende do contexto cultural que a pessoa está inserida. Esses valores sociais são dinâmicos, avançam e registram como as condutas sexuais se alteram. Por isso, não existe uma medida certa para a vivência da sexualidade e do erotismo. “Para que a experiência sexual seja bem aproveitada por você, é importante buscar o equilíbrio e a harmonia nas várias dimensões da vida – física, psíquica, mental, espiritual – através do controle dos seus próprios impulsos, de acordo com sua ética pessoal e cultural”, alerta a especialista.

Antonieta Mazon foi palestrante no VII Congresso Transpessoal Internacional Alubrat de Felicidade Autêntica, e falou sobre o tema “A sexualidade como expressão do amor”. O evento foi realizado de 4 a 7 de setembro, em Águas de Lindoia (SP).

Link Fonte: personare – entretenimento.br.msn.com

Matérias relacionadas